8.24.2017

Ainda sobre o casamento (do ano!)

Foi tudo absolutamente maravilhoso e acima de qualquer expectativa. E acreditem: eu tinha muitas! Primeiramente por adorar casamentos. Depois, porque parece que agora tomo atenção a outros detalhes que dantes me eram um pouco alheios, tais como, pequenos pormenores (que fazem toda a diferença), a decoração, etc. 

Este foi, talvez, o melhor casamento que fui até hoje. Nada foi esquecido, e no meio de tanto pormenor e tanto requinte acabou por ser a simplicidade a palavra de honra. 

Mas vamos aos costumes, que são ligeiramente diferentes:

1. Não existiam lugares marcados (já viram bem o tempo e preocupação que os noivos pouparam?!). Apesar de existir lista de convidados, e só entrar quem estava efectivamente na lista (sim, houve seguranças e tudo!), as mesas estavam compostas e tinham os lugares contados, mas cada convidado escolhia onde e com quem se queria sentar. Gostei verdadeiramente desta ideia!

2. A comida: foi desde início, e durante todo o casamento em modo buffet. O que se revelou mais rápido e eficiente pois cada um comeu o que quis, quando quis, e na quantidade que lhe apeteceu. Houve quem começasse pelo marisco, outros pelos tradicionais pratos quentes (bacalhau ou lombos de vitela). E explico a rapidez: para um casamento que iniciou a cerimónia religiosa às 18h... eram 22h30 e já estávamos (bem) jantados! 

3. O bolo: normalmente cá, o partir do bolo é a última fase do casamento. Na tradição angolana, os noivos partem o bolo antes de abrirem a pista de dança. Muito prático e igualmente bonito.

A música foi do mais eclético que há, sempre animada, é sempre presente ao longo de toda a festa. Nunca estivemos um único momento em silêncio. 

O espaço foi dos mais extremamente bonitos que fui até hoje, numa ocasião destas, tão especial. Convento do Beato. 

E a noiva estava lindíssima (íssima, íssima!) Talvez também, arrisco a dizer, a mais bonita até hoje. Mas secalhar é pelo todo, no geral, que estava numa simbiose perfeita. 












Todo o champanhe da festa era Moët Chandon... como não amar?! ❤️






O Rolls Royce dos noivos 🖤


Mas no fundo, e apesar de tudo isto ser deveras importante obviamente, o que mais importa é estarmos com os que amamos, com os que realmente nos amam, que no geral, seja um dia extremamente feliz e absolutamente inesquecível. Com amor, familia, saúde e felicidade tem se tudo para dar certo :) 

Sem comentários:

Enviar um comentário