6.04.2015

Quando a falta de carácter tem um nome

Jesus. Ou Judas como muitos - e bem - te apelidam.

CARTA ABERTA: 

Muitos sempre te criticaram, ao invés de mim, que sempre te apoiei, sempre reconheci o teu valor e o que fizeste pelo Benfica, sempre te serei grata por estes três campeonatos. Pois não tenho memória curta (com tu talvez tenhas). E nunca te perdoarei. 

Podias tê-lo feito - porque inevitavelmente teria de acontecer - um dia.
Mas não agora, e nunca como o fizeste.

Quando há apenas duas semanas atrás festejavas um BI campeonato connosco, as lágrimas e os sorrisos, a emoção, a vibração - por nós e connosco - lado a lado, que eu bem te vi lá, no Marquês. E apenas duas semanas depois de teres estado a festejar connosco, SEIS ANOS depois de algo tão bonito em conjunto, decides sair assim. De surpresa, como os covardes. E de forma tão suja. Para um dos nossos maiores rivais. Quando acabámos de ser bicampeões. 

Houve erros de parte a parte, e poderias ter os teus motivos, mas a nação que te apoiou durante todos estes anos, todos os adeptos, todo o clube - não merecíamos isto. 

Podias até ter saído de Portugal, treinar outro clube, e depois até voltares e aí sim, como profissional que és - poderias ir para onde bem entendesses. Mas não agora, e nunca assim. 

Merecíamos mais respeito de ti. Merecíamos mais. Muito mais. 

Muitos - aqueles dos quais agora vais vestir a camisola, vibrar, chorar, sorrir, e beijar o emblema, como até há tão pouco tempo fazias connosco (leia-se, dias), esses mesmos - agora chamam-nos de "aziados", "melões" e outros adjectivos similares equivalentes ao nível que demonstram. Mas sabes que mais?  

Não tenho azia. Não tenho melão. O que me revolta é a falta de carácter. A tremenda falta de carácter e hipocrisia que demonstraste ter. 

E o pior de tudo é que eu gostava mesmo de ti. Nem todos gostavam, é verdade. Mas eu não sou mal agradecida nem tenho memória curta. Gostava mesmo de ti. Mesmo com esse teu português. 

E sabes o que é que aqueles que agora se riem contigo - e não de ti - outrora faziam? Faziam pouco disso mesmo, de ti. Do teu português. Da pastilha elástica. Das tuas ideias nem sempre geniais. De não apostares nas camadas jovens, nem em jovens, no geral. De tantas, tantas coisas. E agora sabes o que fazem? Lambem te as botas, para não dizer outra coisa e ferir susceptibilidades. 

Lembras-te ainda, quando há dois anos, PERDEMOS TODAS AS FINAIS? Oh, se nos lembramos. Podíamos ter ganho tudo - e eras bestial. Mas perdemos tudo, e a cada minuto 93' passavas mais a besta, aos olhos de todos. 

Quem é que te queria nessa altura? Quem eras tu nesse momento? 

Ninguém. Quase nada. Crucificado, diziam os jornais. Agora ganhaste - duas vezes seguidas - o teu ego não aguentou e falhaste àqueles que tão fiéis te foram.

Sabes que mais? Não consigo desejar-te bem nenhum. Mal também não. Apenas não te esqueças que o carácter é aquilo que faz de nós o que somos e quem somos. Quando se não-lo tem, mais cedo ou mais tarde, verá as consequências disso.

E é apenas e só isso que te desejo. 

Gratidão. Carácter. Duas coisas que nos definem, e que eu esperava que tivesses. Trato-te por tu, porque posso - são seis anos de algo que apenas alguns de nós pensavam existir - e porque é o que mereces da minha parte e de todo e qualquer benfiquista. O mínimo respeito já é muito para ti.

Talvez muitos não saibam, mas há mais marés que marinheiros. Treinadores, vão e vêm. Jogadores, vão e vêm. Mas o clube, esta nação - permanece sempre. Aquela de que um dia fizeste parte. Ainda ontem. (Irónico, não?)

Podia escrever muito mais. Mas palavras não mudam atitudes. E tu nem uma palavra para connosco tiveste. Acho até, que já te dediquei palavras a mais do que aquelas que um traidor merece. 

Que tenhas aquilo que tanto procuras. E que sejas mais feliz aí, onde decidiste. No fundo, acaba por só se estragar uma casa. Pois o teu agora presidente (super star) demonstrou ter tanto carácter quanto tu. Mas a eles não lhes guardo rancor, pois eles a nós não nos deviam nada. 







Giro-giro, e irónico como tudo - a vocês que agora o vão apoiar - acreditem piamente quando virem estas mesmas fotos, estes mesmos sorrisos, estas mesmas lágrimas. Só que agora em verde e branco. 












7 comentários:

  1. Para mim não tem nada a ver com falta de carácter. O contrato dele acabou com o Benfica. Ou era renovado ou então aceitava trabalho noutro sítio. As pessoas esquecem-se que isto é um emprego como outro qualquer. Recebeu uma proposta melhor, mudou-se. Ele não saiu a meio do campeonato.
    Não percebo o porquê do escândalo e do drama. Os jogadores e os treinadores passam a vida a mudar de clubes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais. Nem preciso de comentar. 😄

      Eliminar
    2. Tudo aquilo que penso está no post, melhor não posso explicar. Quem não compreende, simplesmente não vale a pena tentar explicar melhor. Trata-se sim, de carácter. Pois e como em qualquer outro emprego, o carácter define-nos enquanto pessoas e enquanto profissionais. E é bem capaz de ser a característica mais importante. É a mesma situação se ele tivesse numa grande empresa, onde lhe deram tudo, onde era tratado como um rei, e depois sai - onde podia ter renovado - para ir para uma empresa concorrente no mercado. Também aqui não seria falta de carácter? Seria, exactamente da mesma forma. Traição. As pessoas só não vêem o que não querem ver. Temos todo o direito e legitimidade em estarmos magoados. Não lhe retiro o valor dele como profissional, continuo a considerá-lo o melhor treinador em PT neste momento... As pessoas esquecem-se é que não é apenas uma pessoa que faz uma equipa ou um clube, é todo o colectivo. Enfim. Mas obrigada pela tua opinião ;)

      Eliminar
  2. A opinião do Ele está no blogue, mas deixo-te a minha, que é semelhante à da Indigo, que escreveu a cima. A verdade é que é um emprego e se ele tem a hipótese de ter o emprego com que sonhou e aliar o prazer de trabalhar no que quer, no clube que mais gosta, então tem todo o mérito em fazê-lo...

    Ela.
    www.elaeele-nos.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como em todo e qualquer emprego, ou toda e qualquer situação da vida, devemos demonstrar aquilo que somos. E acabamos por demonstrar quer queiramos quer não. E ele demonstrou duas coisas: falta de carácter e ingratidão. Se o sonho dele era ir para o sporting, tivesse começado lá. Não digo que não pudesse ter ido para lá, ia sempre custar-nos é verdade, mas nunca assim nem agora. Se estivesses num emprego, onde constantemente tinham de fazer concorrência a outra empresa similar, e fazias de tudo para vencer, fazias parte da equipa de alma e coração, a cada vitória. Depois, do nada, vais para essa equipa concorrente. O que é que isso diria de ti? Cada um é como cada qual, mas não é só relativamente ao futebol, eu dou mesmo muito importância ao carácter. E ele não demonstrou nenhum por nós. Ainda na outra semana estava de águia ao peito, e lágrimas nos olhos, em êxtase a festejar connosco - e agora vê-lo assim? Nem sequer consigo. E duvido muito, sinceramente, que os sportinguistas o consigo ver, pelo menos para já, como o seu treinador. É estranho para todos, e quer queiramos admitir ou não, é muita, muita falta de carácter. Independentemente da opinião de cada um, se formos realmente sinceros, esse facto é unânime. Obrigada pela tua opinião :) já comentei a do Ele no vosso blogue. Beijinhos

      Eliminar
  3. Boa tarde!
    Integrei parte deste teu post numa explicação que fiz.
    http://atualidadesbyclaudia.blogspot.pt/2015/06/jesus-sai-do-comando-tecnico-do-benfica.html
    Beijinhos,

    ResponderEliminar