4.10.2015

#ImNoAngel



Por esta altura, já todos vós devem saber ao que me refiro e penso que, arrisco a dizer, seguem a mesma linha de pensamento que eu, assim numa larga maioria. 

Venho falar-vos da campanha que a marca americana Lane Bryant - a qual comercializa lingerie em tamanhos grandes - lançou, em jeito de resposta (ou imitação, para as más línguas) à mais recente campanha da Victoria's Secret. 

Eu adoro a Victoria's Secret. Juro que adoro! (Quem não?), mas tenho com toda a certeza que parabenizar esta campanha.

Em primeiro lugar, porque apesar de achar ter sido um erro crasso, embora talvez inocente, por parte da Victoria's Secret - a marca -, esta publicidade é, de facto, discriminadora. Pois a publicidade inicial dava a entender claramente que o corpo perfeito era apenas um - o igual ao semelhante aos dos seus "anjos", altos, esguios e alguns, em magreza quase extrema. Tudo isto para publicitar a sua nova linha de soutiens "body", onde faziam, inicialmente, o trocadilho com a palavra Body (corpo) e o nome da campanha "The perfect body" (o corpo perfeito), onde apareciam então, dez anjos da Victoria's Secret, com a nova linha de lingerie vestida, fazendo assim alusão à mesma. 



Dada a polémica, a Victoria's Secret viu-se obrigada a alterar o slogan da campanha, passando-a promovê-la com uma frase diferente, "A Body For Every body", implicando que os novos modelos de lingerie eram adequados aos diferentes tipos de corpo de todas as mulheres.


A questão aqui, a meu ver é só uma. Não é uma crítica qualquer. Não é falar só por falar. Ou meramente criticar negativamente, só porque sim (e tão tipicamente português). Aqui a questão é que falharam redondamente, coisa que não deveria acontecer pela quantidade e qualidade de pessoas que devem ter, extremamente qualificadas para tal, e pagas a peso de ouro para o efeito. Mas acontece, e não querendo banalizar (mas banalizando) - "Herrar é Umano". 

A questão, e a gravidade da situação a meu ver, é que já é hora do mundo da moda proibir ou tomar certas medidas, quanto às rígidas exigências de medidas-peso-altura e afins, exigidos às modelos. É desumano. 

A maioria não se queixa, nem sequer refere o assunto, mas está lá. O medo, a competição, a loucura, o êxtase. Tem constantemente e até, senão mais do que em qualquer outra profissão - fortes concorrentes em quase cada virar de esquina. Existem milhares de pessoas lindas. Pessoas altas. A combinação dessas duas características então é perfeita. E têm que lutar arduamente pelo seu lugar, todos os dias. Sem comer. Ou a comer tanto como uma formiga, sim, porque alface por si só não conta, nem chega. Está bem que, como em qualquer outro trabalho, com as devidas exigências, a deste é a manutenção do corpo, das medidas certas, do peso ideal. Até poderia não haver qualquer problema, se não se estereotipasse a imagem de perfect body em todas as esquinas, todas as publicidades, todos os filmes, todas as revistas.

Daí que quando vimos um famoso (ou famosa vá, que as mulheres nisto são bem mázinhas) ao natural, sem as super-produções a que estamos habituados nos sintamos chocados, ultrajados, e até, nalguns casos - regozijados. Todos eles são pessoas normais, de carne e osso como nós. Todos eles têm mau hálito de manhã, olheiras e o cabelo embaraçado. Celulite. Estrias. (estranho não é?!) Mas garanto-vos que é verdade. São iguais a qualquer comum mortal. Simplesmente têm um trabalho privilegiado, que lhes permite o acesso a certo tipo de regalias (embora não seja a palavra certa aqui para o caso) próprias da sua profissão. 

É normal que pela sua notoriedade e posição na sociedade, em termos de que inspiram milhares, centenas ou dezenas de pessoas, todos os dias, tenham que estar devidamente apresentáveis. Pois têm que transmitir uma espécie de exemplo. O erro aqui, é o estereótipo. Porque a partir daí, toda a gente segue o exemplo x como moda, como corpo perfeito, como pessoa perfeita, com um exemplo. E, meus amigos, a perfeição não existe. E a pessoa perfeita que as marcas, a moda, a televisão criam - é uma perfeição quase inalcançável. 

Daí que, e mais uma vez, dou os PARABÉNS à marca Lane Bryant pela excelente campanha protagonizada - e a valente resposta - juntamente com um óptimo e extremamente bem aproveitado sentido de oportunidade! :) 

E sabem que mais? Tenho muito orgulho em que um dos anjos da Victoria's Secret seja português - a nossa querida Sara Sampaio. A sério que tenho. Pois ao contrário de muitos, acima de tudo, e independentemente de gostar ou não da pessoa em causa ou dos seus ideais, gosto e tenho orgulho no que é nosso. No que é português

Mas - e sem querer ofender as demais - a nossa querida Jessica Athayde, dá 10 a 0, a estes anjos. Venha quem vier. É gira que se farta, é bem feita, e bem portuguesa. Não é esquelética, e está claramente longe de ser gorda (invejosas!!), mas para mim aquilo sim é um perfect body. É feliz, transmite isso em tudo o que faz. Sente-se bem com ela própria. E tem personalidade e atitude que sobra. É tudo isso que faz dela um perfect body, e é também tudo isso que faz dela uma pessoa normal

Temos de começar a ver - com olhos de ver - acima das medidas perfeitas, dos pesos ideais. Isso é tãooo relativo. Tão subjectivo. Tão pequenino.

Esperemos que a Moda evolua. Tem demasiados fãs, dita demasiadas vidas. Vale sempre a pena acreditar. 



E nunca se esqueçam: sexy é um estado de espírito, e não um tamanho

xoxo



10 comentários:

  1. Confesso que ultimamente esta é uma discussão que me irrita um bocado e para mim o assunto modelo normal vs plus size está muito saturado já.

    É mostrar o 8 e o 80, sem considerar os outros números todos. E estas campanhas também me assustam pelo outro lado, já que há por aí muita gente obesa que se sente menos mal por continuar a ficar no sofá a comer porcarias porque afinal ser gordo também é ser bonito.

    Só que o que importa não é o que parece ou não bonito. É o que é saudável. E se indirectamente, a imagem das modelos estilo Victoria's Secret pode induzir a comportamentos de risco a nível alimentar como a anorexia e a bulimia, não é menos mentira que a imagem das plus size pode influenciar alguém a manter um estilo de vida sedentário e uma alimentação errada, o que não é menos grave.

    O que eu acho é que damos demasiada importância ao que os outros dizem e fazem e pouca ao que devíamos fazer. Se uma pessoa se levanta, mexe o cu e come bem é o bastante. O resto que se lixe. Eu comecei a ser mais feliz quando me comecei a sentir bem no meu corpo e isso não passou tanto pela imagem que eu via ao espelho, mas pela energia que a mudança de estilo de vida me trouxe.

    Desculpa o testamento ahah! Beijinho!

    [en] joy. by C. | Participa no GIVEAWAY! [en] joy. bijuteria by C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo o que estás a dizer, e o que sentes em relação a este assunto. No entanto, o que eu quis aqui dar a entender é isso mesmo: que o importante é as pessoas serem saudáveis e sentirem se bem no corpo que têm sem ditaduras do mundo da moda. O que eu sou contra é às modelos terem de vestir obrigatoriamente um 32 ou 34 e não ultrapassarem os 55kg, por exemplo. Cada pessoa é cada pessoa, e nenhum metabolismo é igual. Não sou contra esta campanha pois para mim não retratam modelos plus size, nem acima do peso médio estipulado ou socialmente aceite. Até porque nem sequer são pessoas obesas. São pessoas com um peso acima da média, é verdade, mas que se nota que se sentem bem e felizes tal e qual como são. Não estaremos também nós a discriminar, afirmando que só porque são modelos plus size, estão a incentivar o sedentarismo, a obesidade? Penso que sim. Eu vivi de perto um caso familiar, e garanto-te que com um peso bem acima da média era mil vezes mais saudável que todos nós, e tinha sistematicamente os "parabéns" dos médicos em todas as análises ou espécie de exames. Apenas quero com isto dizer, que talvez tenhas interpretado mal o texto, mas apenas sou a contra esta ditadura que se vive socialmente do "perfect body". Conheço mil vezes mais "gordinhas" lindas e felizes, que muitas ditas magras, ou no peso perfeito. Muito obrigada pela tua opinião querida :) um beijinho!

      Eliminar
  2. Concordo com o comentário de cima. Se uma campanha não é boa a outra muito menos. Também já ouvi dizer que querem proibir modelos que tenham o IMC abaixo do recomendado mas eu acho isso por um lado bom e por outro estúpido. Eu tenho o IMC abaixo do recomendado e sou super saudável e como super bem. As pessoas só têm de entender que cada uma tem o seu metabolismo, podem comer imenso e não se notar nada, enquanto outras não comem quase nada e engordam logo.

    Não nos podemos comparar a ninguém, somos como somos e temos de nos sentir bem com isso.

    Beijinho! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal como respondi anteriormente, compreendo perfeitamente o que estão a dizer, a sério que sim. Mas o que eu sou contra é a ditadura do "corpo perfeito" que se vive nos dias de hoje e que a Moda dita. Existem muitas modelos que têm, por exemplo, a estrutura óssea pesada, e por si só, podem ser super magras e pesarem 60kg, por exemplo. Temos um caso desses até, bem conhecido aqui em PT, a atriz Rita Pereira, afirmou há tempos numa entrevista que em plena forma física, no mais magra e saudável que consegue estar, pesa 61kg. Inaceitável no mundo da moda. Pelo menos nas modelos internacionais, nas grandes marcas. Lá está, o mais importante, e o que apoio, é que as pessoas sejam saudáveis e que se sintam bem com elas próprias no corpo que têm ou que, nalguns casos, conseguem ter. Essa ditadura que se vive, é desumana, estereotipada e discriminadora. E é em relação a ela que eu sou contra. Pois tal como disseste, cada metabolismo é um metabolismo. Não estaremos também nós assim a discriminar a campanha de contra-resposta, só por serem modelos plus size? Não sao pessoas obesas. Aposto que todas elas são bem saudáveis! Simplesmente têm um peso acima da média. E são bem felizes com isso. Espero ter-me feito dar a entender de uma melhor forma desta vez :) no entanto, muito obrigada pelo comentário, pela tua opinião. No fundo, penso que apenas vivemos é num mundo em que tudo se critica. Beijinhos querida, obrigada uma vez mais!

      Eliminar
    2. E pelo que li nem vale a pena comentar pois estou totalmente de acordo com a Andreia!

      Eliminar
    3. Obrigada minha querida :) beijinho grande!

      Eliminar
  3. Enfim, dizer o que? foi um erro eles terem usado o primeiro slogan? acho que a intenção deles era mesmo chamar a atenção do produto. Quer dizer, toda a gente agora fala desta campanha.... depois dizem que foi um erro... é tudo marketing!!

    http://filipaalexandrablog.blogspot.com/

    Beijocas fofa ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha isso é certo! Uma grande verdade de facto. Mas no entanto, acho importante falarmos sobre o assunto. Esta ditadura de corpo perfeito que vivemos na sociedade tem de mudar. Beijinhos minha querida, obrigada pela visita!

      Eliminar
  4. Disseste tudo ;)

    http://amarinar.blogspot.pt

    ResponderEliminar